Avaliação da produtividade dos criadouros do Aedes aegypti (L.) e Aedes albopictus (Skuse) através dos dados da vigilância em Parati – RJ.

Eduardo Dias Wermelinger, Adilson Benedito Almeida, Ciro Villanova Benigno, Aldo Pacheco Ferreira

Resumo


Esse estudo avaliou a produtividade dos criadouros de Aedes aegypti (Linnaeus) e Aedes albopictus (Skuse) no município de Parati através dos dados da vigilância entomológica obtidos pelos métodos preconizados pelo Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD). O maior número de pupas de A. aegypti foi coletado nos ralos (31%), garrafas e latas (23%); e com A. albopictus o maior número foi nas garrafas, latas (24%) e vasos de planta (21%). Do total de pupas obtidas, 84,3% e 79,3% das pupas de A. aegypti e A. albopictus respectivamente foram coletadas em pequenos reservatórios: garrafas, vasos de plantas, pneus, bromélias, oco de árvores e ralos. Essas produtividades contradizem a literatura e podem ser explicadas pelas limitações de acesso aos grandes reservatórios e falha na capacitação dos agentes. Esse estudo chama atenção para a importância que os pequenos reservatórios podem ter na densidade do vetor no meio urbano nacional e conclui que a metodologia de vigilância entomológica usada tem sido ineficaz para identificar os grandes e mais produtivos criadouros. Essa conclusão sugere que essa ineficácia pode ser um fator importante pelos insucessos no combate a dengue no Brasil.


Evaluation of Breeding Productivity from Surveillance Data for Aedes aegypti (Linnaeus) and Aedes albopictus (Skuse) in Parati, RJ, Brazil


Abstract. This study evaluated the pupa-productivity of the entomologic surveillance according methodology used by the official Program for Dengue Control in Brazil (PDCB) for Aedes aegypti (Linnaeus) and Aedes albopictus (Skuse) in Parati, RJ, Brazil. The highest number of A. aegypti pupae were found in drains (31%), bottles and cans (23%); and the highest number of A. albopictus pupae were found in bottles and cans (24%), and plant vases (21%). Of the total pupae identified 84.3% and 79.3% of A. aegypti and A. albopictus respectively were collected in small receptacles: bottles, plants vase, tires, bromeliads and tree holes. These productivities are not supported by literature and can be explained by the restrictions of access for the bigger receptacles and lack of training of the agents. The study points out the importance which the small receptacles can have on vector densities in urban environment despite of their productivity and conclude that the entomology surveillance methodology for dengue used in PDCB has no efficacy to identify the bigger and more productive receptacles. This conclusion suggests that this inefficacy can be an important factor for the failures on dengue vector control in Brazil.


Palavras-chave


Criadouros; Dengue Vetor; Larva; Pupa;Breeding; Dengue Vector; Larvae; Pupa

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



|    Licença de Uso    |     Normas para publicação (PDF)   |    Projeto do Periódico   |   Política de Privacidade    |    Currículo Lattes (Busca)    |   Scielo     |     Títulos de Periódicos ligados à Entomologia e suas Abreviações     |      Ortografa!

Indexadores:

Latindex   |   SEER/IBICT     |    Dialnet     |    Agrobase - Literatura Agrícola     |   Sumários de Revistas Brasileiras     |     DOAJ     |    CABI Abstracts     |    LivRe!       |   RCAAP   |    Diadorim    |    Electronic Journals Library   | Eletronic Journals Index  |   Fonte Acadêmica - EBSCO  |   ZooBank    |   Zoological Records    |   Agro Unitau    |    BASE (Bielfield Academic Search Engine)     

Outras fontes:

   WorldCat    |     Mendeley     |     Google Acadêmico    |    Qualis CAPES 

Copyright © 2008-2018, Entomologistas do Brasil

As opiniões técnico/científicas e mesmo pessoais, constantes nos artigos e comunicações científicas publicados no EntomoBrasilis são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores.

 

EntomoBrasilis. ISSN Online 1983-0572 - Prefixo doi: 10.12741

 

 Site hospedado gratuitamente no HostingZone

Fazemos parte da ABEC (Associação Brasileira de Editores Científicos)

Filiado ao Portal de Periódicos CAPES

Apoio